Sunday, October 11, 2009

As mães morrem?

Por uma enorme graça de Deus, assisti à morte da minha mãe na madrugada de 5ª. para 6ª. feira. Tinha 97 anos. Preveni manos, que por sua vez preveniram os filhos e os filhos dos seus filhos... Somos uma multidão a partir da nossa querida mãe! Com 6 filhos (5 raparigas e um rapaz), 23 netos e 48 bisnetos e meio, somos um clã de 99 pessoas. Como se imaginará, as histórias, as anedotas, e as "curiosidades" que acontecem numa familia deste tamanho são um sem fim! Quando nos reunimos - como foi agora o caso em que como formigas chegaram de todos os cantos, acontece sempre festa. Ouvi no cemitério um comentário que me encheu de alegria: "mas esta gente é toda doida, parecem bipolares! Ora choram desconsoladamente, ora rezam, ora se abraçam, ora riem às gargalhadas sonoras nas barbas da morta! E quando fecharam o jazigo? ... Puzeram-se a cantar!!!! Não, eu nunca vi uma familia assim!" Com a Fé que a Mãe e o Pai nos transmitiram, na qual nos fomos aguentando às tres pancadas, sabíamos todos ontem - de ciencia certa - que agora a Mãe, toda ela - INTEIRA - começou finalmente a viver A SUA VIDA no Pai, no Filho, e no Espírito Santo a quem tanto amou. Temos saudades da sua presença física, da casa aberta, de tanta coisa boa que nos deu, de tanto riso e de tanta chatisse que nos pregou mas que nos fez crescer por dentro. As quatro que vivemos cá ficámos agora "desempregadas"... dói muito cá dentro. Com esta vida imensa que teve na terra conseguiu uma façanha maravilhosa - que nós, os seus filhos, estejamos unidos por um amor tão grande uns aos outros como eu não vi em familia nenhuma. Os manos, cada vez nos amamos mais, nos necessitamos mais, e tanto quando o pai morreu como agora também, não houve cadeira, jarrão, casa ou colher de prata que nos tivesse separado. Almoçámos juntos no fim do enterro e resolvemos a vida "cá de baixo". Os netos e os bisnetos, esses foram almoçar todos juntos - uma montanha. Uma senhora ao sair do restaurante onde estavam, foi ter com eles: "continuem assim, foram a alegria da sala!" "Ó caramba, se ela soubesse donde viemos!!!". No fim falaram-nos para irmos ter com eles a casa da Maria da Luisa. A relembrar as histórias da mãe, falámos, rimos, e chorámos juntos durante horas.
Com um dos meus netos gémeos confirmei esta grande lição de VIDA que aqui tentei transmitir: com 2 anos e meio, quiz ir ver a Bibi "que tinha ido para o Céu". Olhou para ela atentamente com olhar "entendido" e levemente desiludido e disse bem alto "Oh! Afinal a Bibi está só a dormir"! "Clarooooo meu amor! Deus fez as mães TÃO IMENSAS que elas em vez de morrerem, ficam a dormir! E no sitio onde estão depois de nos deixarem, ou seja: no nosso coração, sentadas numa estrelinha no Céu, ou no olhar dos avós, do mano, de um primo ou de um tio, as mães nunca mais deixam de olhar pelos filhos sejam eles também netos e bisnetos. E de mansinho, à noite, vêm-nos aconchegar a roupa docemente, até que um dia - não sabemos quando - nos possamos abraçar ternamente outra vez".
Assim era a mãe, assim somos nós, e tentei que desta maneira voce que nos acompanhou conhecesse um bocadinho da história da minha familia e dos sentimentos que me povoaram o coração durante estes dias. Muito obrigada pela sua presença amiga nesta altura tão especial. bj muito grato.
Teresa Olazabal